BOLSONARO DIZ QUE VAI CHAMAR MORO PARA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA OU STF

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) confirmou hoje (29) que pretende convidar o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelo julgamento de casos da Operação Lava Jato, para ser ministro da Justiça ou para ocupar, quando surgir, uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). Ele informou que em breve vai conversar com o magistrado, que mora em Curitiba. Não disse quando será o encontro.

Em entrevista exclusiva à TV Record, o presidente eleito destacou que seu governo terá uma “conversa harmônica” com o Judiciário. Bolsonaro contou que conversou com o presidente do Supremo, Dias Toffoli, ontem (28), e terá novo encontro. “Todos nós somos responsáveis pela nação.” Ele afirmou que não pensa mais em ampliar o número  de ministros da Corte.

Bolsonaro afirmou que irá visitar o presidente Michel Temer para agradecer as felicitações que recebeu. “Será a primeira pessoa que irei procurar”, disse. De acordo com ele, os dois meses finais do governo Temer vão ser da “mais perfeita harmonia”.

A seguir, os principais trechos da entrevista:

Nomes de governo

Nos próximos dias, ele disse que deve confirmar o nome do astronauta e major da reserva Marcos Pontes para o Ministério da Ciência e Tecnologia. Já foram confirmados os nomes do deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) para Casa Civil, o general da reserva Augusto Heleno para Defesa e o economista Paulo Guedes para a Economia.

Minorias

Segundo o presidente eleito, é preciso buscar meios para que todos tenham as mesmas condições econômicas e financeiras e, não tratar determinados grupos como minorias. “Certas minorias podem achar que têm super poderes por serem diferentes dos demais”, disse. “Somos iguais, Artigo 5º da Constituição: sem diferença de gênero, cor da pele e região onde nasceu. O que se tem fazer é procurar a igualdade de patrimônio para todos e aí todos ficam satisfeitos.”

Mercosul

Bolsonaro afirmou que o Mercosul (bloco que reúne Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela, que está suspensa temporariamente) foi supervalorizado e que tal tratamento tem de ser modificado. De acordo com ele, isso ocorreu por questões ideológicas, que protegiam determinados países que, na sua opinião, “burlavam” regras. “Nós queremos nos livrar de algumas amarras do Mercosul”, disse.

Venezuela e imigrantes

O presidente eleito disse que vários líderes estrangeiros pediram que o Brasil mantenha a ajuda à Venezuela e também aos imigrantes. Ele negou a possibilidade de intervenção externa, apoiada por seu governo, na Venezuela. “O PT não fez a lição de casa com a Venezuela, sempre admirou o [o ex-presidente Hugo] Chávez e [o atual presidente Nicolás] Maduro e agora estamos vendo os mais pobres vindo a pé para o Brasil, sem ter o que comer.”

Estados Unidos e Trump

Bolsonaro confirmou que sua conversa com o presidente norte-americano, Donald Trump, foi mais longa do que a que teve com os demais líderes – e trataram de iniciativas comerciais e militares. “Pretendo ir aos Estados Unidos para ampliar a pauta sobre comércio e área militar”, disse o presidente eleito, informando que deverá viajar na companhia do general Heleno e o economista Paulo Guedes.

Líderes estrangeiros

O presidente eleito disse ter conversado com líderes da América Latina e da Europa, o que para ele indica a importância do Brasil. “Estou muito feliz porque, apesar de protocolares, essas conversas mostram que nós podemos estar juntos com esses países.”

Vice-presidente da República

Segundo ele, o general Hamilton Mourão, seu vice, é um homem “muito qualificado e preparado”. “Nem eu quero um vice decorativo. Agora não sou capitão, nem ele general. Eu disse para ele: ‘General, nós somos soldados do Brasil’”, disse o presidente eleito, negando atritos com o oficial. “Será um conselheireiro de primeira hora.”

Governo de transição

De acordo com o presidente eleito, os dados “são estarrecedores”, como a quantidade de funcionários e os gastos. “Não vamos fazer maldade com servidores. Não vamos simplesmente desfazer deste capital.”

Cargos na Câmara

Bolsonaro disse que não irá interferir no processo de sucessão na Mesa Diretora da Câmara, que inclui a presidência da Casa. Ele disse que se o presidente da República interfere “ganha um inimigo para o resto da vida”. O atual presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ), aliado de Bolsonaro, tenta a reeleição e aguardava seu apoio. Para o presidente eleito, é preciso que os partidos políticos definam os cargos, não ele. “Eu gostaria que nós [o PSL] não lutássemos pela presidência da Câmara. Seria um início de gesto de humildade. Pela governabilidade, seria bom diversificarmos os partidos.”

Homens honestos

Lembrando que tem 28 anos de Parlamento, Bolsonaro disse que se relaciona bem com 95% dos parlamentares. “Eles têm consciência do que foi essa campanha e acreditam em mim. Eu acredito que a maioria quer o bem do Brasil. A maioria é de pessoas honestas e decentes.”

Estatuto do Desarmamento

Ele defendeu o direito de um cidadão acima de 21 anos – e não mais 25 anos –  comprar arma de fogo, sem ter de renovar o porte rotineiramente. O presidente eleito disse ser favorável ao porte definitivo. “Há um estado de guerra. A efetiva necessidade está comprovada pela violência.” Também afirmou que é preciso flexibilizar o porte de arma para que as pessoas possam se proteger melhor da insegurança presente em todos os locais. “Quem tiver uma arma vai ser responsabilizado por ela. Quem quer fazer a maldade não precisa comprar a arma, é fácil comprar a arma de fogo. Temos de abandonar o politicamente correto. Achar que não ter armas melhora o país, não é isso. Arma de fogo garante a liberdade de uma pessoa.”

Pacotão de Medidas

Sem detalhar, o presidente eleito mencionou que uma série de medidas específicas para o agronegócio, homem do campo e a segurança serão encaminhadas na sua gestão. “Todos se beneficiarão.”

Faxina e MST

Bolsonaro prometeu fazer uma “faxina” no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Segundo ele, os integrantes da entidade desrespeitam a lei e não podem por isso querer dialogar.

“Eu vou fazer a faxina. A faxina será em cima dos que não respeitam a lei, como o pessoal do MST”, afirmou. “O movimento social que invade, depreda e faz barbaridade não tem conversar. Por isso eu quero armar o fazendeiro.”

Adversários políticos

Bolsonaro afirmou que está “pronto para conversar” com os candidatos à Presidência Ciro Gomes, Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB) e Fernando Haddad (PT), derrotados nas eleições. “Converso com eles apesar da campanha que fizeram para me desconstruir.”

Mais Médicos

Ele defendeu que os profissionais estrangeiros que quiserem atuar no Brasil se submetam à revalidação do diploma, fazendo provas para verificar suas habilidades. O presidente eleito afirmou que vai mudar o programa como está. Na sua opinião, o programa foi criado para favorecer os médicos cubanos.

Controle da Imprensa

O presidente eleito negou que pretenda controlar a mídia. Segundo ele, é favorável à liberdade de expressão. “Quem vai impor limite é o leitor. O controle é o controle remoto, nada além disso. O cidadão na ponta da linha é quem vai decidir.”

TV “Oficial”

Bolsonaro disse que pensa em privatizar ou extinguir a TV “oficial”.“Não queremos propaganda, não vamos usar TV oficial. Não podemos gastar R$ 1 bilhão para audiência traço; prefiro contar com a mídia tradicional.”

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/Mikael Sampaio



EM PERNAMBUCO, BOLSONARO VENCE EM APENAS UMA CIDADE

No primeiro turno, Bolsonaro havia vencido em nove cidades pernambucanas / Foto: RICARDO MORAES / POOL / AFP

Em Pernambuco, Estado onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da SIlva nasceu, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) venceu em apenas uma cidade – Santa Cruz do Capibaribe, a terceira maior do Agreste, deu ao deputado 23.044 votos ou 53,83% e a Fernando Haddad, candidato do PT, 19.765 votos ou 46,17%.

Em todo o Estado, que tem 185 municípios, Bolsonaro recebeu 1 661.163 votos (33,50%). Haddad teve 3.297.944 votos (66,50%) no segundo turno.

No primeiro turno, Bolsonaro havia vencido em nove cidades pernambucanas: além de Santa Cruz do Capibaribe, na capital Recife, em Jaboatão dos Guararapes, Olinda, Paulista, Carpina, Caruaru, Taquaritinga do Norte e Camaragibe.

Caetés

Lula nasceu em Caetés, pequeno município do Agreste pernambucano com 26 mil habitantes. Preso em Curitiba desde o dia 7 de abril para cumprir pena de 12 anos e um mês de reclusão na Operação Lava Jato, o ex-presidente foi declarado inelegível pelo plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e substituído nas eleições 2018 pelo ex-ministro da Educação e ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT).

No primeiro turno, o primeiro colocado de Caetés foi Haddad com 10.013 votos, ou 82,73%. O candidato Ciro Gomes (PDT) ficou em segundo com 966 votos ou 7,98%. Bolsonaro teve 869 votos ou 7,18%. No segundo turno, Haddad foi a 12.333 votos, ou 91,73%. Bolsonaro teve 1.112 votos, ou 8,27%.

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/Estadão Conteúdo/Foto: RICARDO MORAES / POOL / AFP




HADDAD DESEJA “BOA SORTE” A BOLSONARO E DIZ QUE ESTÁ COM CORAÇÃO LEVE

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, derrotado nas eleições, desejou nesta segunda-feira, dia 29 de outubro, sorte ao presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Nas redes sociais, o petista afirmou estar com o “coração leve” e que espera o “melhor de todos”. Ele se dirigiu ao adversário como “presidente”.

“Presidente Jair Bolsonaro. Desejo-lhe sucesso. Nosso país merece o melhor. Escrevo essa mensagem, hoje, de coração leve, com sinceridade, para que ela estimule o melhor de todos nós. Boa sorte”, afirmou Haddad, na sua conta no Twitter.

Nesse domingo, dia 28, após a confirmação da vitória de Bolsonaro, que obteve 55% dos votos contra 44% para Haddad, o candidato do PT agradeceu o apoio durante a campanha presidencial. Também nas redes sociais, ele postou imagens em que aparece abraçando a mulher Ana Estela.

“Lembrando o hino nacional: verás que um professor não foge à luta, nem teme quem adora a liberdade à própria morte”, disse o petista, referindo-se também à sua profissão que é de professor de ensino superior na Universidade de São Paulo (USP).

Aos eleitores, Haddad se dirigiu também com carinho. “Gostaria de agradecer os 45 milhões de eleitores que nos acompanharam. Uma parte expressiva da população que precisa ser respeitada.”

Mencionou ainda sua família e sua história pessoal. “Gostaria de agradecer meus antepassados que me ensinaram o valor da coragem e a defender a justiça a qualquer preço. Todos os demais valores dependem da coragem”, disse.

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/Agência Brasil




GOVERNADOR PAULO CÂMARA EMITE NOTA SOBRE VITÓRIA DE BOLSONARO

Nota oficial

Espero que o presidente eleito Jair Bolsonaro governe para todos, respeitando a Constituição Federal, as instituições democráticas e a Federação. A retórica agressiva deve ficar no passado. Bolsonaro precisa ser presidente de todos e não apenas de uma parcela do Brasil.

Quero também elogiar o desempenho irrepreensível de Fernando Haddad, que foi um guerreiro, correto, leal e que fez o que esteve ao seu alcance nessa curta campanha eleitoral.

Torço para que Haddad se mantenha atuante, pois é um importante quadro político que tem muito ainda a oferecer ao Brasil.

Governador Paulo Câmara

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/Magno Martins




BOLSONARO VAI DEPENDER DO CONGRESSO PARA APROVAR PROMESSAS

É com um Congresso renovado nas duas casas, que o presidente eleito Jair Bolsonaro, (PSL) vai ter que discutir como aprovar as promessas de campanha.

Na Câmara, há 20 anos não havia uma renovação tão ampla. Foi também a maior renovação no Senado desde a redemocratização do Brasil. O Senado passa a ter 21 partidos.

Para aprovar, por exemplo, uma proposta que mexe com a Constituição e que precisa de pelo menos 49 votos dos 81 senadores, Jair Bolsonaro vai ter que negociar com os partidos menores.

Na Câmara, as negociações tendem a ser mais complicadas por causa do número ainda maior de partidos – 30 elegeram deputados – vai ser uma dificuldade a mais para costurar apoios: 148 deputados de 8 partidos devem fazer oposição a Bolsonaro.

PT – 56
PSB – 32
PDT – 28
PSOL – 10
PCdoB – 9
PROS – 8
PV – 4
Rede – 1

Ao lado do novo governo vão estar:

O PSL, partido de Jair Bolsonaro, que aumentou de 8 para 52 deputados. Até agora é a segunda maior bancada da Câmara, mas pode crescer com a adesão de deputados eleitos por partidos que não cumpriram a cláusula de barreira;

O PTB, com 10 deputados eleitos

E o PSC, com 8 deputados.

O “Centrão”, que reúne muitos partidos, também vai ser decisivo:

DEM – 29
Progressista – 37
PSD – 34
PR – 33
PRB – 30
Solidariedade – 13

Analistas afirmam que o PPS, com 8 deputados, o MDB, com 34 e PSDB, com 29 vão ser o fiel da balança.

Na avaliação do analista político Juliano Griebeler, Bolsonaro vai ter que negociar com os partidos de centro para conseguir apoio.

“Ele vai ter que negociar com os demais partidos, com os partidos de centro, para conseguir construir esse apoio. Ter a capacidade de aprovar uma PEC, uma emenda constitucional, mas ele não vai conseguir fazer isso sem, de fato, negociar com as demais lideranças partidárias”, disse.

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/Tribuna Livre-Rádio Frande Serra Fm




PM É PRESO APÓS FAZER DISPAROS E FERIR QUATRO PESSOAS NO FAROL DA BARRA EM SALVADOR DURANTE FESTA PRÓ BOLSONARO

Quatro são baleados durante comemoração na Barra; militante é agredida no Rio Vermelho

Um soldado da Polícia Militar foi preso na noite de domingo, dia 28 de outubro, após efetuar disparos de arma de fogo e ferir quatro pessoas no bairro da Barra, em Salvador. O caso ocorreu durante a festa de comemoração à eleição do presidente Jair Bolsonaro (PSL). As informações são da Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA).

De acordo com a SSP-BA, informações preliminares apontam que o policial Manoel Landulfo Sampaio discutiu com um ambulante, sacou a arma e disparou vários tiros, atingindo quem estava por perto. O crime ocorreu, na Rua do Gavazza, no bairro.

Na ocasião, policiais da Companhia de Patrulhamento Tático Móvel (Patamo), que estavam nas proximidades, detiveram o PM em flagrante. O policial foi conduzido à Central de Flagrantes. O G1 não conseguiu contato com a defesa do PM.

Uma das testemunhas que estava no meio da confusão relatou a situação. “Ele [o PM] surgiu do nada e teve uma discussão que também começou do nada. Ele [o PM] tentou dar um soco no rapaz e imediatamente já puxou a arma, deu dois disparos nele [na vítima] e começou a atirar. Nessa hora, nós nos jogamos no chão, a multidão começou a se jogar no chão, a banda parou, a polícia veio rapidamente e atuou”, contou.

Ainda segundo a SSP-BA, as vítimas foram encaminhadas para os hospitais Português e Geral do Estado. Não há informações sobre o estado de saúde delas.

Outro caso

Eleições 2018: mulher fica ferida após ser agredida por policial militar no Rio Vermelho
G1 BA
Eleições 2018: mulher fica ferida após ser agredida por policial militar no Rio Vermelho

Eleições 2018: mulher fica ferida após ser agredida por policial militar no Rio Vermelho.

Ainda na noite de domingo, uma jovem de 19 anos ficou ferida após uma confusão entre militantes do PT e policiais militares, no bairro do Rio Vermelho, em Salvador. Um vídeo gravado por testemunhas mostra o momento da agressão.

Houve disparo de arma de fogo para cima, feito por PMs, conforme a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA).

De acordo com amigos da vítima, que preferiram não se identificar, a jovem, que é estudante da Universidade Federal da Bahia (Ufba), teve um corte na cabeça após ser agredida com um cassetete por um policial militar.

A situação ocorreu no Largo de Santana, mais conhecido como Largo da Dinha, local onde tradicionalmente são feitos encontros dos militantes do Partido dos Trabalhadores (PT) após as eleições.

Rio Vermelho, em Salvador — Foto: Alan Oliveira/ G1

Rio Vermelho, em Salvador — Foto: Alan Oliveira/ G1

Segundo testemunhas, o caso aconteceu depois que eleitores do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) passaram pelo local, em carros, fazendo supostas provocações aos petistas que estavam no Rio Vermelho.

Conforme as testemunhas, após a situação, houve uma discussão entre um homem e alguns policiais. A vítima teria tentado intervir e, na confusão, acabou agredida.

Após ser atingida, a jovem caiu no chão e foi amparada por uma irmã e amigos, que estavam com ela. A estudante foi levada para o Hospital Geral do Estado (HGE), onde segue internada. Ela está consciente e tem quadro de saúde estável, segundo amigos.

Em nota, SSP-BA, informou que “a confusão começou durante passagem de alguns veículos que comemoravam o resultado da eleição para presidente da república”. Segundo a SSP, na situação, os PMs agiram para evitar brigas generalizadas, foram agredidos “e usaram força proporcional”. A Secretaria afirma que uma mulher, ainda não identificada, foi detida, mas não detalhou se foi a jovem ferida.

Após o ocorrido, a área teve o policiamento reforçado por agentes do Batalhão de Choque da Polícia Militar. Militantes que estavam no local relataram que o clima ficou tenso e que muitas pessoas prefeririam ir embora.

No Twitter, o governador da Bahia, Rui Costa, condenou os atos de violências ocorridos no Rio Vermelho e disse que pediu apuração rigorosa sobre o caso. “Condeno os atos de violência que ocorreram na noite de hoje no Rio Vermelho. Assim que tomei conhecimento dos fatos, determinei ampla e rigorosa apuração da ação policial pela Secretaria de Segurança Pública. O caso será levado imediatamente à Corregedoria da Polícia Militar”, afirmou o governador.

Ainda em nota, a SSP informou que uma equipe da Polícia Civil foi deslocada para a 7ª Delegacia, no Rio Vermelho, para emitir guias de corpo de delito para militantes e PMs envolvidos na situação. Segundo a Secretaria, a Corregedoria da PM também já iniciou a apuração do caso e fará a ouvida dos envolvidos ainda neste domingo. A jovem agredida deve ser ouvida após receber alta.

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/G1 BA




JAIR BOLSONARO É ELEITO PRESIDENTE COM 57,8 MILHÕES DE VOTOS

Jair Messias Bolsonaro, do PSL, foi eleito o 38º presidente da República neste domingo (28) ao derrotar em segundo turno o petista Fernando Haddad, interrompendo um ciclo de vitórias do PT que vinha desde 2002.

A vitória foi confirmada às 19 horas e 18 minutos, quando, com 94,44% das seções apuradas, Bolsonaro alcançou 55.205.640 votos (55,54% dos válidos) e não podia mais ser ultrapassado por Haddad, que naquele momento somava 44.193.523 (44,46%). Com 99% das seções apuradas, Bolsonaro recebeu 57.797.466 votos (55,13%) e Haddad, 47.040.859 (44,87%).

Clique na legenda azul e Leia a reportagem completa

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/G1




BOLSONARO CONFIRMA QUATRO MINISTROS PARA SEU GOVERNO

A definição do ministério do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) deverá se acelerar nos próximos dias, mas os primeiros nomes foram confirmados hoje por ele. No poderoso ministério da Fazenda, que poderá ser renomeado para Economia, figura desde o início o economista Paulo Guedes. Para a estratégica Casa Civil, foi escolhido o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS). E para o Ministério da Defesa, a escolha recaiu sobre o general reformado Augusto Heleno.
Paulo Guedes comandará o Ministério da Fazenda – Ferrnando Frazão/Agência Brasil
Na pasta de Ciência e Tecnologia, o astronauta brasileiro Marcos Pontes, que é tenente-coronel da Aeronaútica, também foi confirmado por Bolsonaro e ele próprio admitiu que aceitaria a missão.
A meta máxima de 15 ministérios, por exemplo, já não é uma certeza. A primeira polêmica surgiu com a tão anunciada e propagada pelo candidato fusão entre as pastas da Agricultura e Meio Ambiente. Após receber visitas de empresários, exportadores, e de representantes do agronegócio, ficou claro que é preciso analisar eventuais prejuízos na economia internacional com as possíveis mudanças. Hoje, o principal discurso de Bolsonaro é afirmar que irá ouvir e avaliar todas as vertentes políticas e econômicas antes de tomar qualquer decisão.
Civis
Paulo Guedes é carioca, tem 69 anos, é formado em economia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e com mestrado pela Universidade de Chicago. É conhecido no meio acadêmico, tendo lecionado na PUC-Rio e na Fundação Getúlio Vargas (FGV). Foi um dos fundadores, em 1983, do Banco Pactual.
Também foi sócio-fundador e diretor executivo da JGP Gestão de Recursos, onde era um dos responsáveis pela supervisão da gestão do Fundo JGP Hedge e pela estratégia das operações. Tornou-se membro do conselho diretor da PDG Realty Empreendimentos e Participações, da Abril Educação e da Localiza Rent a Car. Ajudou a fundar o Instituto Millenium, um centro de pensamento econômico, e também foi sócio-fundador do grupo financeiro BR Investimentos, que se tornaria parte da Bozano Investimento.
Onyx Lorenzoni será ministro da Casa Civil – Fernando Frazão/Agência Brasil
O deputado gaúcho Onyx Lorenzoni (DEM-RS) foi escolhido para a Casa Civil pelo trabalho de articulação legislativa desempenhado com sucesso no Congresso, meses antes do início da campanha, arregimentando maioria parlamentar de sustentação a Bolsonaro.
Onyx tem 64 anos, nascido em Porto Alegre, formado em medicina veterinária pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Está em seu quarto mandato como deputado federal, depois de exercer dois mandatos como deputado estadual.
No Congresso, Onyx é apontado pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP) como um dos parlamentares mais influentes. Participou de 12 CPIs, com destaque para a dos Correios, e a da Petrobras. Em 2016, foi relator do projeto que transforma as 10 Medidas contra Corrupção, propostas pelo Ministério Público Federal (MPF), em lei.
Generais na Esplanada
O general Heleno tem 70 anos, é nascido em Curitiba e formado na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman). É considerado uma das pessoas que gozam do maior prestígio e respeito por parte de Bolsonaro.
Heleno foi o primeiro comandante da Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah), de junho de 2004 a setembro de 2005. Antes disso, no início de sua carreira, foi primeiro colocado de sua turma de cavalaria na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO) e na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (Eceme).
No posto de major, integrou a missão militar brasileira de instrução no Paraguai. Como coronel, comandou a Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx), em Campinas, e foi adido militar da Embaixada do Brasil em Paris, acreditado também em Bruxelas.
General Augusto Heleno comandará o Ministério da Defesa – Arquivo/Agência Brasil
Como oficial-general, foi comandante da 5ª Brigada de Cavalaria Blindada e do Centro de Capacitação Física do Exército, chefe do Centro de Comunicação Social do Exército e do Gabinete do Comandante do Exército. O general também foi comandante militar da Amazônia.
O tenente-coronel da Força Aérea Brasileira (FAB) Marcos Pontes tem 55 anos e é natural de Bauru (SP). Notabilizado como o primeiro astronauta brasileiro, que atingiu o espaço em março de 2006, à bordo de uma nave russa, após anos treinando na Nasa, irá comandar a pasta de Ciência e Tecnologia.
Formou-se no Colégio Liceu Noroeste, em Bauru em 1980. Em 1984, recebeu o bacharelado em tecnologia aeronáutica da Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga. Em 1989, iniciou o curso de engenharia aeronáutica no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), em São José dos Campos, recebendo o título de engenheiro em 1993. Em 1998, obteve o mestrado em engenharia de sistemas pela Naval Postgraduate School, em Monterrey, Califórnia.
Marcos Pontes comandará Ciência e Tecnologia – Divulgação/Nasa
Em junho de 1998, foi selecionado para o programa espacial da Nasa, para a candidatura a que o país tinha direito no programa espacial do governo americano, pelo fato de integrar o esforço multinacional de construção da Estação Espacial Internacional.
Iniciou o treinamento obrigatório em agosto daquele ano no Centro Espacial Lyndon Johnson, em Houston. Em dezembro de 2000, ao
concluir o curso, foi declarado oficialmente astronauta da Nasa.
Cotados
Também aparece cotado para um ministério da Infraestrutura o general da reserva Oswaldo de Jesus Ferreira, 64 anos, que atuou em Brasília como um dos coordenadores do plano de governo de Bolsonaro. O general, que chegou ao posto máximo da carreira como chefe do Departamento de Engenharia e Construção do Exército, tem como meta retomar as obras paralisadas, o que exigirá aumento das verbas para investimentos, hoje reduzidas.
Na área de educação e comunicações, surge o nome do general Aléssio Ribeiro Souto, que tem coordenado esta área do programa de governo, mas há políticos do DEM cotados para ser ministro da Educação – como o próprio ex-ministro Mendonça Filho.
Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/Fredson Paiva/Agência Brasil



14 GOVERNADORES FORAM ELEITOS NO SEGUNDO TURNO NO BRASIL NESSE DOMINGO

Os brasileiros escolheram neste domingo, 28, governadores de 14 unidades da Federação. As eleições 2018 foram para o segundo turno em Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Amapá, Rondônia, Rio Grande do Norte, Amazonas, Pará, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe, Roraima e também no Distrito Federal.

São Paulo

João Doria, candidato do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), foi eleito governador do Estado de São Paulo neste domingo, 28. Com a totalidade das urnas apuradas, Doria obteve 10.990.160 (51,75%) dos votos. Seu concorrente, Márcio França, do Partido Socialista Brasileiro (PSB), conquistou 10.248.653 (48,25%) dos votos.

Minas Gerais

O candidato do partido Novo, Romeu Zema, foi eleito neste domingo, 28, o novo governador de Minas Gerais. Com 99,96% das urnas apuradas, Zema tem 71,80% dos votos, segundo o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Estado. O segundo colocado, Antônio Anastasia, do PSDB, tem 28,20% dos votos e não pode mais superar o rival.

Rio de Janeiro

O candidato Wilson Witzel, do Partido Social Cristão (PSC) é o novo governador do Estado do Rio de Janeiro. Com 100% das urnas apuradas, Witzel obteve 59,87% dos votos válidos. O segundo colocado, o candidato do Democratas (DEM), Eduardo Paes, recebeu 40,13% do total.

Rio Grande do Norte

A candidata do Partido dos Trabalhadores (PT), senadora Fátima Bezerra, venceu a disputa pelo governo do Rio Grande do Norte e se tornou a única mulher eleita governadora em 2018. Com 100% das urnas apuradas, ela teve 57,60% dos votos, contra 42,40% do concorrente Carlos Eduardo (PDT).

Distrito Federal

O candidato do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), Ibaneis Rocha, foi eleito no Distrito Federal. Com todas as urnas apuradas, Ibaneis teve 69,79% dos votos. O segundo colocado, Rodrigo Rollemberg (PSB), ficou com 30,21%.

Amazonas

Com 99,70% das urnas apuradas, o candidato do PSC, Wilson Lima está matematicamente eleito para o governo do Amazonas. Wilson Lima tem 58,54% dos votos. O segundo colocado, Amazonino Mendes, do PDT, tem 41,46% dos votos.

Amapá

O candidato do Partido Democrático Trabalhista (PDT), Waldez Góes, foi reeleito governador do Amapá no segundo turno das eleições 2018. Goéz obteve 52,35% dos votos válidos e o segundo colocado, João Alberto Capiberibe, do Partido Socialista Brasileiro (PSB-AP), teve 47,65% dos votos.

Mato Grosso do Sul

Com 100% das urnas apuradas, Reinaldo Azambuja (PSDB) foi reeleito governador de Mato Grosso do Sul, com 52,35% dos votos. O tucano recebeu 677.310 votos contra 616.422 (47,65%) de seu adversário, o juiz federal aposentado, Odilon de Oliveira (PDT).

Pará

O candidato Helder Barbalho (MDB) foi eleito neste domingo, 28, governador do Pará. Com 99,98% das urnas apuradas, Barbalho acumulou 55,43% dos votos válidos contra 44,57% do seu adversário, Marcio Miranda, do DEM.

Rondônia

O candidato Coronel Marcos Rocha (PSL) foi eleito neste domingo, 28, governador de Rondônia com 66,34% dos votos válidos. O segundo colocado, Expedito Júnior (PSDB), teve 33,66% dos votos.

Roraima

O candidato do PSL, Antonio Denarium, foi eleito neste domingo, 27, governador de Roraima. Com 99,91% das urnas apuradas, Denarium teve 53,36% dos votos válidos. O segundo colocado, José de Anchieta, do PSDB, teve 46,64% dos votos.

Rio Grande do Sul 

Com 100% das urnas apuradas, o ex-prefeito de Pelotas Eduardo Leite (PSDB) é o novo governador do Rio Grande do Sul. O tucano, com 53,62% dos votos válidos, bateu o candidato à reeleição, José Ivo Sartori (MDB), com 46,38%, nas eleições 2018.

Santa Catarina

O candidato do Partido Social Liberal (PSL), Comandante Moisés, foi eleito o governador de Santa Catarina. O comandante recebeu 71,09% dos votos válidos, segundo o Tribunal Superior Eleitoral. O segundo colocado, Gelson Merísio, do PDT, teve 28,91% dos votos.

Sergipe

O governador Belivaldo Chagas (PSD) foi reeleito para o cargo com 64,72% dos votos válidos. O segundo colocado, Valadares Filho (PSB), conseguiu 35,28% dos votos.

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/Tribuna Livre Grande Serra FM




CONFIRA A VOTAÇÃO DOS PRESIDENCIÁVEIS EM OURICURI E REGIÃO

OURICURI

FERNANDO HADDAD: PT 88,77% 29.138 votos

JAIR BOLSONARO: PSL 11,23% 3.685 votos

Brancos: 261 VOTOS

Nulos: 1.159 VOTOS

ARARIPINA

FERNANDO HADDAD: PT 82,69% 33.843 votos

JAIR BOLSONARO: PSL 17,31% 7.083 votos

Brancos: 432 votos

Nulos: 1973 votos

TRINDADE 

FERNANDO HADDAD: PT 78,30% 11.966 votos

JAIR BOLSONARO: PSL 21,70% 3.316 votos

Brancos: 149 votos

Nulos: 729 votos

EXU

FERNANDO HADDAD: PT 90,03% 17.637 votos

JAIR BOLSONARO: PSL 9,97% 1.954 votos

Brancos: 172 votos

Nulos: 803 votos

BODOCÓ

FERNANDO HADDAD: PT 91,02% 16.517 votos

JAIR BOLSONARO: PSL 8,98% 1.629 votos

Brancos: 173 votos

Nulos: 758 votos

MOREILÂNDIA

FERNANDO HADDAD: PT 91,99% 6.120 votos

JAIR BOLSONARO: PSL 8,01% 533 votos

Brancos: 62 votos

Nulos: 238 votos

GRANITO

FERNANDO HADDAD: PT 88,34% 4.001 votos

JAIR BOLSONARO: PSL 11,66% 528 votos

Brancos: 34 votos

Nulos: 197 votos

IPUBI

FERNANDO HADDAD: PT 84,89% 12.493 votos

JAIR BOLSONARO: PSL 15,11% 2.223 votos

Brancos: 181 votos

Nulos: 675 votos

SANTA CRUZ

 FERNANDO HADDAD: PT 89,48% 6.969 votos

JAIR BOLSONARO: PSL 10,52% 819 votos

Brancos: 66 votos

Nulos: 322 votos

SANTA FILOMENA

FERNANDO HADDAD: PT 90,02% 6.970 votos

JAIR BOLSONARO: PSL 9,98% 773 votos

Brancos: 50 votos

Nulos: 265 votos

Parnamirim

FERNANDO HADDAD: PT 91,71% 11.606 votos

JAIR BOLSONARO: PSL 8,29% 1.049 votos

Brancos: 53 votos

Nulos: 371 votos

TERRA NOVA 

FERNANDO HADDAD: PT 92,32% 5.641 votos

JAIR BOLSONARO: PSL 7,68% 469 votos

Brancos: 28 votos

Nulos: 176 votos.

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro




SENADORA QUE FOI CANDIDATA A VICE DE CIRO, KÁTIA ABREU DISSE TER VOTADO NULO NESTE DOMINGO, DIA 28

A senadora Kátia Abreu (PDT-TO) usou o Twitter a fim de repudiar pressões para não anular seu voto, como disse que faria, na eleição deste domingo (28).

“Ninguém é obrigado a votar contra suas convicções. Isso é a verdadeira democracia. Pressãozinha de militante comigo não funciona”, disse.

Os petistas esperavam apoio explícito de Ciro Gomes ao candidato petista, Fernando Haddad. Mas isso não aconteceu.

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/Época – Coluna Expresso-Por Murilo Ramos




PESQUISA DATAFOLHA PARA PRESIDENTE: BOLSONARO, 56%; HADDAD, 44%

O Datafolha divulgou, há pouco, o resultado da mais recente pesquisa do instituto sobre o 2º turno da eleição presidencial. O levantamento foi realizado ontem e hoje e tem margem de erro de 2 pontos, para mais ou para menos.

Nos votos válidos, os resultados foram os seguintes:

  • Jair Bolsonaro (PSL): 56%
  • Fernando Haddad (PT): 44%

No levantamento anterior, Bolsonaro tinha 59% e Haddad, 41%.

Para calcular os votos válidos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição. Para vencer no primeiro turno, um candidato precisa de 50% dos votos válidos mais um voto.

Sobre a pesquisa

  • Margem de erro: 2 pontos percentuais para mais ou para menos
  • Entrevistados: 9.173 eleitores em 341 municípios
  • Quando a pesquisa foi feita: 24 e 25 de outubro
  • Registro no TSE: BR-05743/2018
  • Nível de confiança: 95%
  • Contratantes da pesquisa: TV Globo e “Folha de S.Paulo”
  • O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos.

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/Programa Tribuna Livre/Rádio Grande Serra FM Ouricuri




JOÃO DÓRIA E MÁRCIO FRANÇA ESTÃO EMPATADOS TECNICAMENTE, DIZ DATAFOLHA

João Doria (PSDB) e Márcio França (PSB), durante debate das promovido pela TV Globo. Foto:Paulo Lopes/Futura Press

O Datafolha divulgou no início da noite desta quinta-feira sua mais recente pesquisa de intenção de voto para o governo do estado de São Paulo. O levantamento foi feito na quarta-feira (24) e quinta-feira (25). A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos. Vamos aos números:

  • João Doria (PSDB): 52%
  • Márcio França (PSB): 48%

No levantamento anterior Doria tinha 53% e França 47%. Os dois candidatos, portanto, oscilaram dentro da margem de erro. Para calcular os votos válidos, o Datafolha deixa de fora votos brancos, os nulos e os eleitores que se declararam indecisos. O processo é o mesmo adotado pela Justiça Eleitoral ao divulgar os resultados das eleições.

Witzel mantém a liderança no Rio com 56%; Paes reduz diferença e vai a 44%, segundo Datafolha
Datafolha mostra Ibaneis na liderança no DF com 74% dos votos válidos contra 26% de Rollemberg
Datafolha mostra Ibaneis na liderança no DF com 74% dos votos válidos contra 26% de Rollemberg

O Datafolha também mediu a taxa de rejeição dos candidatos. O instituto pergunto aos eleitores se eles “votarão com certeza, talvez votem ou não votarão de jeito nenhum” nos candidatos. Eis os resultados:

João Doria:

  • Votará com certeza: 38%
  • Talvez vote: 18%
  • Não votará de jeito nenhum: 42%
  • Não sabe: 2%

Marcio França:

  • Votará com certeza: 34%
  • Talvez vote: 21%
  • Não votará de jeito nenhum: 42%
  • Não sabe: 3%

Rio de Janeiro

O Datafolha também foi a campo para medir a intenção de votos dos dois candidatos ao governo do Rio de Janeiro. Veja:

  • Wilson Witzel (PSC): 56%
  • Eduardo Paes (DEM): 44%

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/Notiias Yahoo




ELEIÇÕES 2018 – 2º TURNO: JAIR BOLSONARO DIMINUI VANTAGEM SOBRE FERNANDO HADDAD, DIZ DATAFOLHA

O Datafolha divulgou na noite desta quinta-feira sua mais recente pesquisa de intenção de voto para presidência da República. A distância entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) caiu de 18 para 12 pontos em uma semana. Vamos aos números:

Jair Bolsonaro: 56%
Fernando Haddad: 44%

Na última pesquisa a diferença era de 59% para 41%. Tanto a queda de Bolsonaro como a subida de Haddad se deram dentro da margem de erro que é de dois pontos para mais ou para menos. Neste levantamento, o Datafolha ouviu  9.173 eleitores em 341 cidades. A pesquisa foi encomendada pela Folha e pela TV Globo e foi realizada na quarta (24) e na quinta (25).

O Datafolha desta quinta-feira representa a mais expressiva mudança na curva de intenções de voto desde o começo do segundo turno. A candidatura de Jair Bolsonaro passa por um momento de turbulência após o escândalo do caixa 2 do WhatsApp.

Datafolha: Doria e França empatados tecnicamente
Haddad diz que pode ter bom resultado eleitoral se não houver avalanche de notícias falsas
Senador nega apoio a Bolsonaro por ele ter defendido mandante de assassinato de sua mãe

A Folha de S. Paulo publicou reportagem que dá indícios de que empresários estariam pagando disparos em massa de mensagens contra o PT. Além do suposto crime eleitoral, a campanha do capitão da reserva também foi abalada por declarações de seu filho, Eduardo Bolsonaro sobre fechar o Supremo Tribunal Federal.

Em votos totais, Bolsonaro tem  48%, ante 38% de Haddad e 6% de indecisos. A maior subida do petista ocorreu na região norte onde ele ganhou sete pontos. Entre os mais jovens (16 a 24 anos), Haddad viu sua intenção de voto subir de 39% para 45%. O registro deste levantamento do Datafolha no TSE é: SP‐02453/2018.

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/Datafolha – Jair Bolsonaro e Fernando Haddad. Montagem: Getty Images




VOX POPULI MOSTRA QUEDA DE BOLSONARO E CRESCIMENTO DE HADDAD, 53% A 47%

A nova rodada da pesquisa CUT/Vox Populi confirma o crescimento das intenções de voto no candidato Fernando Haddad (PT) e a queda do candidato de extrema direita, Jair Bolsonaro (PSL), que deu até entrevistas dizendo que estava com a faixa presidencial nas mãos.

Bolsonaro tem 44% e Haddad 39% dos votos totais. Dentro da margem de erro, que é de 2,2% para mais e para menos, a diferença entre ambos pode ser de apenas 0,6%.

O alto percentual de indecisos (17%) é que vai definir essa eleição, afirma a sondagem CUT/Vox.

A nova rodada da pesquisa CUT/Vox Populi confirma o crescimento das intenções de voto no candidato Fernando Haddad (PT) e a queda do candidato de extrema direita, Jair Bolsonaro (PSL), que deu até entrevistas dizendo que estava com a faixa presidencial nas mãos.

Realizada nos dias 22 e 23, depois do escândalo do WhatsApp e da fala de Bolsonaro dizendo que vai prender ou exilar os opositores, a pesquisa mostra que os eleitores estão mudando a intenção de voto ou voltando a ficar indecisos, exatamente como revelou o levantamento realizado pela CUT-Vox nos dias 16 e 17.

Cenário estimulado

Na simulação estimulada, quando o entrevistador apresenta os nomes dos candidatos, Bolsonaro aparece com 44% das intenções de votos contra 39% de Haddad.

A diferença entre os dois candidatos caiu para 5%. Se for considerada a margem de erro da pesquisa, que é de 2,2%, a diferença entre as intenções de voto em Haddad e Bolsonaro pode chegar a 1 ponto percentual (2,2% a menos para Bolsonaro e 2,2% a mais para Haddad).

A pesquisa mostra também que 17% dos eleitores ainda estão indecisos. Desse total, 12% disseram que não vão votar em ninguém, vão votar em branco ou anular os votos. Outros 5% não sabem ou não quiseram responder. Os percentuais são exatamente iguais aos da pesquisa anterior.

Os percentuais de votos válidos, excluídos os brancos, nulos, ninguém ou não sabem ou não responderam, também são idênticos aos da pesquisa anterior: 53% para Bolsonaro e 47% para Haddad.

Cenário espontâneo

A simulação espontânea, quando o entrevistador apenas pergunta em quem o eleitor vai votar, aponta Bolsonaro com 43% das intenções de votos contra 37% de Haddad, os mesmos percentuais do levantamento realizado nos dias 16 e 17.

Neste cenário, 13% disseram que não votarão em ninguém, votarão em branco ou anularão o voto e 7% não sabem ou não responderam. Na pesquisa anterior, os percentuais eram de 12% e 8%, respectivamente.

Estratificação

No cenário estimulado, o Nordeste, Região onde o candidato petista apresentou os maiores percentuais de intenção de voto durante toda a corrida presidencial, aumentou o número de eleitores que pretendem votar em Haddad: de 57% para 60%.

Os percentuais de intenção de voto em Haddad também cresceram entre os homens (de 35% para 37%), entre os maduros (de 37% para 41%); entre os eleitores que têm até o ensino fundamental (de 44% para 47%) e entre os que ganham até 2 salários mínimos (45% para 50%).

Os percentuais de intenção de voto em Bolsonaro registraram queda de 27% para 25% na Região Nordeste, entre os homens – de 53% para 49% -; entre os maduros – de 48% para 43%.
Religião

Considerando apenas os válidos, as intenções de votos para presidente apresentou pouca variação. Haddad oscilou positivamente um ponto percentual entre os católicos (de 42% para 43%), 2% entre os espíritas (de 38% para 40%) e 4% nos que se declararam sem religião (de 42% para 46%). Mas oscilou negativamente 3% entre os evangélicos (30% para 27%) e 6% nos que declararam seguir outras religiões (de 48% para 42%).

Rejeição

O percentual de rejeição a Fernando Haddad se manteve estável (41%). Já a rejeição a Bolsonaro aumentou 2% entre a pesquisa anterior e a rodada realizada nos dias 22 e 23 – de 38% para 40%.

O maior percentual de rejeição contra Bolsonaro foi registrado no Nordeste (59%). Já os eleitores do Sudeste e do Sul rejeitam mais Haddad, 48% em cada Região.
52% dos que se declararam negros e 42% dos pardos rejeitam Bolsonaro. Já entre os que se declararam brancos, o percentual de rejeição de Haddad sobe para 49%.

Metologia

A pesquisa CUT-Vox Populi foi realizada entre os dias 22 e 23 de outubro. Foram feitas 2.000 entrevistas pessoais e domiciliares com eleitores de 16 anos ou mais, residentes em áreas urbanas e rurais, de todos os estados e do Distrito Federal, em capitais, regiões metropolitanas e no interior de todos os estratos socioeconômicos. Os entrevistadores foram em 121 municípios.

A margem de erro da pesquisa é de 2,2%, estimada em um intervalo de confiança de 95%.

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/ do Emanoel/Cordeiro/https://www.esmaelmorais.com.br/2018/10/vox-populi-diferenca-entre-bolsonaro-e-haddad-pode-ser-menos-de-1-ponto/