MÃE É SUSPEITA DE MATAR FILHA COM TIRO NA CABEÇA EM TORITAMA

Share this...
Share on Facebook
Facebook
0

Casal foi preso em flagrante. Foto: Agreste Notícia/Divulgação

Um homem e uma mulher foram presos em flagrante suspeitos de matar a própria filha de 10 meses com uma arma de fogo na noite da quinta-feira, dia 5 de setembro no bairro Novo Alvorecer Toritama, no agreste pernambucano. Em depoimento para a Polícia Militar, a mulher, de 25 anos, contou que sofre de depressão pós parto e tinha rejeitado a filha desde que ela nasceu.

Eles foram identificados como WAGNER FERREIRA DA COSTA, 25 anos, e PRISCILA MARIA BARBOSA, também de 25. O crime aconteceu na Rua Janailson João dos Santos, no Sítio Oncinha. De acordo com testemunhas, o disparo teria sido efetuado pela mãe da criança. Veja a matéria:

Segundo o pai da pequena ÁGATA FERREIRA BARBOSA, a esposa sofria de depressão pós-parto, que se prolongou mesmo com acompanhamento médico. “A arma estava escondida dentro de várias caixas em um quarto. Ela entrou lá para efetuar o disparo. Foi muito rápido. Eu ouvi o tiro e fui ao encontro dela. Agi por impulso. Abracei ela. Na hora que eu vi a minha filha, percebi que não tinha jeito. Após isso ela [a mãe] saiu correndo, desesperada, e eu fui atrás dela para não acontecer uma tragédia maior”, contou WAGNER.

Segundo ele, além da esposa e da criança, a avó materna de Ágata também estava no local. Ela ajudava nos cuidados com a menina por conta do estado debilitado de Priscila. “As pessoas não entendem que ela está doente, mas é uma coisa séria. Eu dei toda a atenção que eu podia, fiz tudo. Levei para o médico, dei carinho, tive paciência. A minha família foi destruída pela depressão”, alegou ele, emocionado.

“Minha vida praticamente acabou. Eu tinha uma família, tinha uma esposa, uma criança. Tinha um filho fora do casamento também. Eu tinha uma vida normal até o dia em que ela adoeceu. Depois disso minha vida foi cuidar dela e da minha filha”, afirma.

A criança teria sido morta com um tiro no rosto. Com o casal, a Polícia Civil apreendeu 109 petecas de cocaína, duas trouxinhas de maconha, uma balança de precisão, um revólver calibre 38, cinco munições e R$ 45. O casal foi encaminhado para uma audiência de custódia no Fórum de Santa Cruz do Capibaribe, que deve ocorrer à tarde. O corpo da vítima foi levado para o Instituto de Medicina Legal em Caruaru e deve foi liberado na sexta. O sepultamento da menina ocorreu na cidade de Boqueirão, na Região Metropolitana de Campina Grande, na Paraíba.

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/OP9