MUNICÍPIO INVESTIGA DENUNCIA DE SUSPEITA DE SURTO DE CAXUMBA EM OURICURI

Share this...
Share on Facebook
Facebook
0

Várias pessoas procuraram as unidades de saúde em Ouricuri com sintomas de caxumba e denunciando um possível surto de Caxumba (Papeira) em vários bairro da cidade, o fato foi comunicado a secretaria de saúde e ao setor de imunização.

Caxumba é uma doença infecciosa causada por um vírus da família dos Paramyxovirus, que provoca inflamação não só nas glândulas parótidas, mas também nas glândulas submaxilares e sublinguais. Na maior parte das vezes, a infecção se manifesta na infância, nos meses de inverno e no começo da primavera.

Nossa reportagem conversou com a coordenadora municipal do PIN Jacilene Matos que falou sobre as ações tomadas pelo município para investigar e conter o possível surto, confira:

SAIBA MAIS SOBRE CAXUMBA, SINTOMAS, TRANSMISSÃO E PREVENÇÃO:

Sintomas

caxumba, também chamada de papeira ou parotidite, tem um período de incubação de duas ou três semanas. Seus primeiros sintomas são febre, calafrios, dores de cabeça, musculares e ao mastigar ou engolir, além de fraqueza. Uma das principais características da doença é o aumento das glândulas salivares próximas aos ouvidos, que fazem o rosto inchar. Nos casos graves, a caxumba pode causar surdez, meningite e, raramente, levar à morte. Após a puberdade, pode causar inflamação e inchaço doloroso dos testículos (orquite) nos homens ou dos ovários (ooforite) nas mulheres e levar à esterilidade. Por isso, é necessário redobrar a atenção nestes casos e ter acompanhamento médico.

Transmissão

Altamente contagiosa, a caxumba é causada pelo vírus Paramyxovirus, transmitido por contato direto com gotículas de saliva ou perdigotos de pessoas infectadas. Costumam ocorrer surtos da doença no inverno e na primavera e as crianças são as mais atingidas.

Prevenção

A melhor maneira de evitar a caxumba é através da vacinação aos 12 e 15 meses de vida. Caso uma pessoa seja afetada, ela não deve comparecer à escola ou ao trabalho durante nove dias após início da doença. É preciso, ainda, desinfectar os objetos contaminados como secreções do nariz, da boca e da garganta do enfermo. A vacinação de bloqueio é recomendada para quem manteve contato direto com pessoas doentes.

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro – Radar de Notícias