TCE/PE CONDENA FBC A DEVOLVER R$ 5,2 MILHÕES POR “DOAÇÕES” DE AREIA IRREGULARES A EMPREITEIRAS, À ÉPOCA EM QUE PRESIDIA SUAPE

Share this...
Share on Facebook
Facebook
0

Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado
Por unanimidade, o Pleno do TCE acaba de aprovar o voto irretocável da Conselheira Alda Magalhães condenando Fernando Bezerra Coelho a devolver R$ 5,2 milhões referentes a areia doada à empreiteiras durante sua gestão em Suape. O TCE deu provimento a uma rescisória da Procuradora  Geral do Ministério de Contas, Germana Laureano contra decisão anterior que absolvia FBC. A rescisão foi conhecida por maioria de votos. Três Conselheiros votaram pelo não conhecimento: Carlos Porto, Renilson Ramos e João Campos. Se o entendimento deles tivesse prevalecido, FBC teria se livrado da condenação por um filigrana processual, no mérito, porém, a decisão foi unânime acompanhando o voto de Alda Magalhães, simplesmente irretocável e que ainda determinou que fossem oficiados o Ministério Público Estadual e Federal para apuração dos indícios de improbidade administrativa e de práticas criminais apontadas pela Auditoria.

O processo no TCE teve origem com um pedido de rescisão do Ministério Público de Contas de Pernambuco (MPCO), assinado pela procuradora geral Germana Laureano e pelo procurador Cristiano Pimentel. A relatora do processo no TCE foi a conselheira Alda Magalhães, auditoria concursada do TCE.

Apesar de alguma divergência sobre o recebimento ou não do pedido de rescisão, no mérito, os conselheiros condenaram Fernando Bezerra por unanimidade. Votaram pela condenação os conselheiros Alda Magalhães, relatora, Carlos Porto, Dirceu Rodolfo, João Campos, Ranilson Ramos e Luiz Arcoverde Filho. O julgamento foi presidido por Marcos Loreto, presidente do TCE.

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/Noélia Brito/vale Comenta/JC